GABA B - Deepening into the classes of this receptor // GABA B - Aprofundando sobre as classes desse receptor

in StemSocial3 months ago

Continuing the article started here about Gabaergic receptors, here I am to try to decipher and explain some of our The next receptor is GABA B. Unlike GABA A, B is a G protein-coupled receptor.


Source

But what is G Protein? Well, in a simplified way, we can say that the G protein is a brain mediator that has several functions, such as informing neurons of certain commands, connecting information between hormones and neurotransmitters, in addition to other more complex mechanisms. A number of dysfunctions are possible in people who are deficient in G protein. But back then to GABA B receptors: They bind to this protein, and their functions are automatically related in this sector. One of the main actions of Gaba B is the inhibition of calcium channels in the autonomic nervous system, so they are considered inhibitors.

=650%2C777&ssl=1
Source

Much more than GABA A, B has muscle relaxation and relaxation functions. It is not by chance, for example, that it is the main mechanism of drugs such as Baclofen, which is a GABA B agonist, a muscle relaxant that is not rarely used with some abuse by a certain portion of drug addicts. The classic drug GHB is still in the same class, in addition to the popular and easily accessible Fenibut (Phenibut).


Source

Strangely enough, GABA B has little material on one of its most important likely benefits, which is some modulation and attenuation in depression. Some drugs of less popular classes (due to pure myth and lack of knowledge) such as MAOIs, especially Phenelzine, have a gabaergic function and clearly this mechanism has a definite difference in the quality of depressive treatment in general. Much still needs to be reviewed on the subject of GABA, because even questions that are almost common sense (such as the harmful effects of benzodiazepines, which, as we have seen, act on GABA as well) are contradictory and much research has been trying to prove that this class has antidepressant potential. , larger than even imagined. Well, despite being brief, I hope this article was interesting for you! Thanks for reading and your vote!

Articles used to write this text: 1, 2 and 3

Thômas Helon Blum

Português

Dando continuidade ao artigo iniciado aqui sobre os receptores Gabaérgicos, cá estou para tentar decifrar e explicar um pouco do nosso próximo receptor, o GABA B. Diferente do GABA A, o B é um receptor acoplado a proteína G.


Source

Mas o que é a Proteína G? Pois bem, de forma simplificada podemos dizer que a proteína G é um mediador cerebral que tem várias funções, como informar aos neurônios determinados comandos, conectar informações entre hormônios e neurotransmissores além de outros mecanismos mais complexos. Inúmeras disfunções são possíveis em pessoas com deficiência em proteína G. Mas voltando então aos receptores GABA B: Eles ligam-se a esta proteína, e suas funções são automaticamente relacionadas neste setor. Uma das principais ações do Gaba B é a inibição dos canais de cálcio no sistema nervoso autônomo, de forma que são considerados inibidores.


Source

Muito mais que o GABA A, o B tem funções de relaxamento muscular e descontração. Não por acaso é por exemplo o mecanismo principal de medicamentos como o Baclofeno, que é um agonista de GABA B, um relaxante muscular que inclusive não raramente é utilizado com certo abuso por determinada parcela dos farmaco-adictos. Da mesma classe ainda se encontra a clássica droga GHB, além do popular e de fácil acesso Fenibut (Phenibut).


Source

Estranhamente o GABA B possui pouco material sobre um de seus mais importantes prováveis benefícios, que é uma certa modulação e atenuação na depressão. Alguns medicamentos de classes menos populares (por puro mito e falta de conhecimento) como os iMAOs, em especial a Fenelzina, possui função gabaergica e claramente este mecanismo tem definitiva diferença na qualidade do tratamento depressivo de forma geral. Muita coisa ainda precisa ser revista à respeito do tema GABA, por que mesmo questões quase de senso comum (como os malefícios dos benzodiazepínicos, que como vimos, agem no GABA também) são contraditórias e muitas pesquisas vem tentando provar que essa classe tem potencial antidepressiva, maior do que se imaginava inclusive. Bom, apesar de breve, espero que esse artigo tenha sido interessante para você! Agradeço a leitura e seu voto!

Artigos utilizados para escrever esse texto: 1, 2 e 3

Thômas Helon Blum

Sort:  

Thanks for your contribution to the STEMsocial community. Feel free to join us on discord to get to know the rest of us!

Please consider delegating to the @stemsocial account (85% of the curation rewards are returned).

You may also include @stemsocial as a beneficiary of the rewards of this post to get a stronger support. 
 

Obrigado por promover a comunidade Hive-BR em suas postagens.

Vamos seguir fortalecendo a Hive

Metade das recompensas dessa resposta serão destinadas ao autor do post.