The Naturopathy Teacher's Paradox // O paradoxo do professor de naturopatia

in OCD8 months ago

Today I'm going to tell the story of a person who taught me a lot and that, as paradoxical as it may be, the course of his journey and the end of his life taught me more than anything he had passed on of knowledge until then.

I met Professor Xavier at a somewhat shamanic spiritualist event in a nearby town. I remember seeing a little man with his wife, totally integrated in the midst of that crowd of colorful young spiritualists, full of mandalas and extensions, necklaces and incense sticks. He danced along with everyone in a circular dance workshop, which is a kind of collective mindfulness meditation on a process of moving through music, in other words it's children's "role play" to the nth degree. And surprised to see the energy of that bald man, with glasses dancing there, I asked a friend who he was, and he said: - It's Professor Xavier. At the same event, the next day he gave a lecture to all the people who were there in search of knowledge, he talked about organic agriculture, life experiences in this journey of natural self-knowledge and its relationship with cultivation and care for the land, its advanced permaculture studies, and so on. His speech was a waterfall for the thirsty, and at that time I was thirsty!


Source

I had the pleasure of experiencing Professor Xavier's knowledge again a year later, when I was more "studied". I had found out that he was going to teach an open course on agroforestry and organic farming, as well as a module on artisanal homeopathy in the neighboring town, at a rural college. I didn't miss the opportunity and for a few months, I traveled there every week to absorb that vast knowledge. The experience of talking to someone wise goes beyond the perception and absorption of knowledge itself, Professor Xavier overflowed with this energy of pure experience, of great maturity in the face of life's directions, of lucidity and openness in consciential and natural terms, but at the same time was very methodical, so much so that the X-Man joke didn't work for him, because he didn't watch TV, nor did he have a television at home. I always remember him commenting that his children didn't have contact with television until they were thirteen years old.

Like a good naturalistic spiritualist, in search of expansion of consciousness and advanced knowledge about the relationship with the earth, I kept asking the teacher a thousand questions, and absorbing his knowledge. In his view, the only rational path amidst the mundane chaos is the integration with nature, values ​​that I carry to this day without a doubt. But the topic that I want to address here goes in another direction, Professor Xavier had an extremist and straight view about health (like so many nature scholars) and believed that health came through this harmonization, and that all medicine we need exists in nature, I probably would never put a drug store in my mouth ever. In his homeopathy course, he taught us a lot about the efficiency of this "natural medicine" and we could see his fervor about it. And at the time, I strongly believed in this content, not only because it said, but because it was already one of my topics of personal research and deepening.

When the course ended I lost contact with him, after all, he didn't use the internet, he lived in a farm far away from everything, in the countryside of another city and only attended what interested him occasionally. My life went on, in parts deepening the natural knowledge, but increasingly taking a turn in certain nuances of learning. The very search for the most authentic and reliable sense of reality made me search more and more, often breaking my own notions of truth. Little by little I deconstructed my spiritualist and more "fanciful" beliefs about miraculous natural cures, about energy and spirituality, about strictly vegetarian or vegan food, about everything that surrounded that almost "magical" sphere that enchanted me in the past. In a somewhat cruel way I stripped myself of my own security and it wasn't even because I wanted to, I just realized, studying, that the truth was a little different from what I believed to be and a lot of this "magical thinking" was innocence and incoherence, yet that was sad and far less comfortable.

nature.jpg
Source

Years passed, life took a bittersweet course, with a lot happening, a lot of changes not only in my conceptions of reality but in the universe around me. When I learned of Professor Xavier's death it wasn't as shocking as it might have been had I still been immersed in those psychological crutches of an esoteric naturalist. In this case, what was most marked by this news was the fact of its insistence (or irreducibility) in the beliefs of what it always professed as facts. Professor Xavier had a skin disease, I unfortunately (or fortunately) don't know details of this disease, I only found out from a friend. This disease was consuming his body more and more and he, in an unbridled search for a cure, began to delve more and more into everything he had learned until then, using all kinds of alternative therapy in search of a cure, without success. He even sold his lands in the interior to be able to go outside Brazil to seek treatment with a renowned naturalist therapist in the United States, all in vain. He ended up dying without being able to prove to himself that natural treatments could cure a serious illness.

Upon learning of this story, I could only put "the last nail in the coffin" of the fanciful beliefs of fantastic healings through nature. I made peace with the concept of allopathic medicine and the acute treatment of simple problems or not so long ago, I stopped denying reality in search of a superhuman reason regarding man's connection to the earth. And as melancholy as it is, I know today that we are just mere insects walking on the planet. That we think we know a lot (both naturalists and skeptical scientists), and we see our certainties crumble when we face unusual situations. Even so, what remained of this whole journey of knowledge alongside this incredible figure that was Professor Xavier, is the relationship between man and the planet on which he lives. Even if we are not the dear children that some lines profess, I know that the best we can do for our existence is a deep dive into nature, a healthy and harmonious relationship with the land we step on, with the food we eat (and always more possible, and by natural I don't mean vegetarian, nature is mixed, meat is part of the game), of this quest for preservation, for the construction of a new reality based on "ecology". These are all unbreakable, granitic values, resistant to any argument, not based on beliefs or fantastic tales about what is real or not. It is literally the basic pillar of man as a living being on earth: The advanced study of existence. For all that, even though his end was tragic and a paradox in the face of the benignity of his existence in the world, I can only thank you for having learned so much from him. Thank you Professor Xavier!

Thômas Helon Blum

separador_de_texto_1.png

Português

Hoje vou contar a história de uma pessoa que me ensinou muita coisa e que por mais paradoxal que seja, o rumo de sua jornada e o fim de sua vida me ensinou mais do que tudo que ele havia me passado de conhecimento até então.

Conheci o professor Xavier em um evento espiritualista meio xamânico em uma cidade vizinha. Lembro de ter visto um senhorzinho com sua esposa, totalmente integrado no meio daquela multidão de jovens espiritualistas coloridos, cheios de mandalas e alargadores, colares e incensos. Ele dançava junto a todos numa oficina de dança circular, que é uma espécie de meditação coletiva de atenção plena em um processo de movimentação através da música, em outras palavras é a "brincadeira de roda" das crianças elevada à enésima potência. E surpreso ao ver a energia daquele senhor careca, de óculos dançando ali, perguntei para um amigo quem era ele, e ele disse: - É o professor Xavier. No mesmo evento, no dia seguinte ele deu uma palestra para todo o pessoal que estava ali em busca de conhecimento, falou sobre agricultura orgânica, experiências de vida nessa jornada de auto conhecimento natural e sua relação com o cultivo e cuidado com a terra, seus estudos avançados de permacultura, e assim por diante. Seu discurso era uma cachoeira para quem estava com sede, e naquela época eu estava sedento!


Source

Tive o prazer de experienciar o conhecimento do professor Xavier novamente um ano depois, quando eu já estava mais "estudado". Havia descoberto que ele iria dar um curso aberto de agro-floresta e plantio orgânico, além de um módulo de homeopatia artesanal na cidade vizinha, em um colégio rural. Não perdi a oportunidade e por alguns meses, viajei todas as semanas para lá para ter uma absorção daquele conhecimento tão vasto. A experiência de conversar com alguém sábio vai além da percepção e absorção do conhecimento em si, o professor Xavier transbordava essa energia de vivência pura, de grande maturidade diante dos rumos da vida, de lucidez e abertura em termos conscienciais e naturais, mas ao mesmo tempo era muito metódico, tanto que a piada de X-Man não funcionava para ele, por que ele não assistia TV, nem tinha televisão em casa. Sempre lembro dele comentar que seus filhos não tiveram contato com televisão até os treze anos de idade.

Tal como um bom espiritualista naturalista, em busca de expansão da consciência e conhecimentos avançados sobre a relação com a terra, eu seguia perguntando mil coisas ao professor, e absorvia seu conhecimento. Na visão dele, o único caminho racional em meio ao caos mundano é a integração com a natureza, valores que levo até hoje sem dúvidas. Mas o tema que quero abordar aqui segue para outro rumo, professor Xavier tinha uma visão extremista e reta à respeito da saúde (assim como tantos e tantos estudiosos da natureza) e acreditava que a saúde vinha através dessa harmonização, e que todo remédio que precisamos existe na natureza, provavelmente não encostava um medicamento de farmácia na boca jamais. Em seu curso de homeopatia, passou-nos muitos ensinamentos sobre a eficiência desse "medicamento natural" e podia se notar seu fervor à respeito. E na época, eu acreditava fortemente nesse conteúdo, não só por que ele dizia, mas por que já era um de meus temas de pesquisa pessoal e aprofundamento.

Quando o curso acabou eu perdi o contato com ele, afinal, ele não usava internet, vivia em uma chácara muito afastada de tudo, no interior de outra cidade e só frequentava aquilo que lhe interessava ocasionalmente. A minha vida seguiu, em partes aprofundando o conhecimento natural, mas cada vez mais dando uma guinada em determinadas nuances do aprendizado. A própria busca do sentido mais autêntico e confiável da realidade me fazia pesquisar mais e mais, quebrando muitas vezes minhas próprias noções de verdade. Pouco a pouco descontruí minhas crenças espiritualistas e mais "fantasiosas" sobre curas naturais milagrosas, sobre energia e espiritualidade, sobre alimentação estritamente vegetariana ou vegana, sobre tudo que circundava aquela esfera quase "mágica" que me encantou no passado. De uma forma um pouco cruel eu me despi de minhas próprias seguranças e nem era por que eu queria, apenas percebi, estudando, que a verdade era um pouco diferente do que eu acreditava ser e muito desse "pensamento mágico" era inocência e incoerência, ainda que isso fosse triste e muito menos confortável.

nature.jpg
Source

Os anos se passaram, a vida seguiu rumos agridoces, com muita coisa acontecendo, muitas mudanças não só em minhas concepções de realidade mas no universo ao meu redor. Quando eu soube da morte do professor Xavier não foi tão chocante quanto poderia ter sido caso eu ainda estivesse imerso naquelas muletas psicológicas de um naturalista esotérico. No caso, o que mais ficou marcado dessa notícia foi o fato de sua insistência (ou irredutividade) nas crenças do que sempre professou como fatos. Professor Xavier teve uma doença de pele, eu infelizmente (ou felizmente) não sei detalhes dessa doença, soube apenas por um amigo. Essa doença foi consumindo seu corpo cada vez mais e ele, numa busca desenfreada pela cura começou aprofundar-se mais e mais em tudo que tinha aprendido até então, utilizando todo tipo de terapia alternativa em busca de uma cura, sem sucesso. Chegou a vender suas terras no interior para poder ir para fora do Brasil buscar tratamento com algum terapeuta renomado naturalista nos Estados Unidos, tudo isso em vão. Acabou morrendo sem poder comprovar a si mesmo que os tratamentos naturais poderiam curar uma doença grave.

Ao saber dessa história, eu apenas pude colocar "o último prego no caixão" das crenças fantasiosas de curas fantásticas através da natureza. Eu fiz as pazes com o conceito da medicina alopática e o tratamento agudo de problemas simples ou não há muito tempo, deixei de negar a realidade em busca de uma razão sobre-humana à respeito da conexão do homem com a terra. E por mais melancólico que seja, sei hoje que somos apenas meros insetos caminhando sobre o planeta. Que achamos que sabemos muito (tanto os naturalistas quanto os céticos cientistas), e vemos nossas certezas esfarelarem quando enfrentamos situações inusitadas. Ainda assim o que ficou de toda essa jornada de conhecimento ao lado dessa figura incrível que foi o professor Xavier, é da relação do homem com o planeta em que vive. Mesmo que não sejamos os filhos queridos que algumas linhas professam, sei que o melhor que podemos fazer para nossa existência é o mergulho profundo na natureza, a relação saudável e harmônica com a terra em que pisamos, com a comida que comemos (e sempre mais natural possível, e com natural eu não quero dizer vegetariana, a natureza é mista, a carne é parte do jogo), dessa busca pela preservação, pela construção de uma nova realidade baseada na "ecologia". Isso tudo são valores inquebrantáveis, graníticos, resistentes a qualquer argumento, não baseiam-se em crenças e nem em contos fantásticos sobre o que é real ou não. É literalmente o pilar básico do homem como ser vivo na terra: O estudo avançado da existência. Por isso tudo, ainda que seu fim tenha sido trágico e um paradoxo diante da benignidade de sua existência no mundo, eu só posso agradecer por ter aprendido tanto com ele. Obrigado professor Xavier!

Thômas Helon Blum