Curiosidades sobre a história do cuidado em saúde

in Proof of Brain7 months ago (edited)

edwin_smith_papyrus_v2.jpg
Fonte: Jeff Dahl - Edited version of Image:EdSmPaPlateVIandVIIPrintsx.jpg - WikiMedia - Domínio Público

Os fundamentos dos conhecimento que estudam a saúde humana seguem um fio que remontam há milhares de anos ao longo da história da humanidade...

Foi na África, mais especificamente no Egito, há pelo menos 4000 anos, que a especulação sobre a saúde se afastou - um pouco - do misticismo com os especialistas conhecidos como: Sacerdotes de Sekhmet.

Acredita-se que esses especialistas são responsáveis pelas primeiras descrições clínicas, anatômicas, técnicas e recursos terapêuticos mais antigos sobre a saúde que encontramos até o momento. Imortalizados pela imagem, pela escrita.

Esses documentos são os: Papiros Egípcios.

Escritos em hierático, uma simplificação da escrita hieroglífica, os papiros contém consensos com descrições com sistematização e análise de sinais e sintomas, categorizações, tentativas de racionalizar uma etiologia, prognóstico e tratamento.

O papiro mais antigo data de por volta de 1800 a.C. com nome de "Kahun Papyrus", sendo o texto sobre saúde mais antigo do Egito encontrado até o momento. Esse papiro contém, dentre outros temas, 35 parágrafos relacionado à saúde da mulher.

O documento da foto é reconhecido como "Papiro de Edwin", comprado por Edwin Smith (1822 - 1906) de Georg Ebers (1837 - 1898), que também nomeia outro documento dessa época, o "Papiro de Ebers". Antes diziam descobertas, hoje sabemos que foram documentos roubados do patrimônio egípcio mesmo.

O "Papiro de Edwin" data por volta de aproximadamente 1600/1700 a. C. ainda muito anterior aos escritos do "pai da medicina", o grego Hipócrates ( 460 - 377 a.C), que retomou vários termos e elaborações teóricas descritos nesses papiros. É possível que o mesmo possa ter tido contato com esses saberes já que o hierático tinha grande popularidade nos povos gregos e romanos.

Hoje muito se perdeu desses patrimônios do povo egípcio e da humanidade, os que sobreviveram estão sendo estudados e são expostos em museus pelo mundo.

Um pouco sobre os fundamentos da elaboração dos conhecimentos em saúde, espero que gostem!

Até mais!


Bibliografia:

BADARÓ, Wilson Oliveira (2017), O que não nos contam sobre o Egito Antigo: a medicina primeira veio da África e dos negros, Laboratório de Ensino de História do Recôncavo da Bahia-LEHRB, Cachoeira, 2017.

Melman, Charles. Novos Estudos Sobre a Histeria. Tradução Sérgio Rezende [et al.]. 1 ed. Rio de Janeiro: Tempo Freudiano, 2018.


Mais conteúdos?

https://linktr.ee/matheusggr